No JN, Bolsonaro diz que vice 'foi infeliz' e promete não acabar com o Bolsa Família

O candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro, afirmou na noite desta segunda-feira (8), em entrevista ao vivo no Jornal Nacional, da TV Globo, que o vice de sua chapa, general Hamilton Mourão (PRTB), “foi infeliz” ao defender recentemente uma nova Constituição “elaborada por notáveis”, sem o crivo da população, e a possibilidade de um autogolpe com apoio das Forças Armadas. O militar reformado falou após o adversário petista Fernando Haddad, contra quem disputará o 2º turno das eleições. A ordem foi definida em sorteio antes de ambos responderem a duas perguntas, cada.
Questionado por William Bonner acerca da proposta, sobre a qual juristas e críticos avaliam ser um risco à democracia, o militar da reserva minimizou a fala do aliado. “Ele foi infeliz, deu uma canelada. O presidente jamais autorizaria qualquer coisa nesse sentido. Não pode admitir isso, porque não teria autoridade para fazer”, disse, prometendo que, se eleito, seus auxiliares serão "escravos da Constituição" atual. 
"Nós acreditamos no voto popular. O general Hamilton Mourão nos auxiliará. Queremos demonstrar, com isso, um governo com autoridade, e não autoritarismo. Ele rapidamente se adequará à realidade brasileira."
Em outro momento, Bolsonaro assegurou que não acabará com o Bolsa Família, programa instituído no primeiro governo do ex-presidente Lula (PT), não ressuscitará a CPMF nem cobrará Imposto de Renda de pessoas com até. “Homens e mulheres, fiquem tranquilos”, declarou, ressaltando isenção para quem ganha até cinco salários mínimos.
Endossando uma das principais bandeiras de sua campanha, Bolsonaro prometeu “jogar pesado com a questão da segurança pública”, para que as mulheres “fiquem protegidas” e voltou a defender a redução da maioridade penal. "O povo quer e deseja”, disse.
No início, citou uma passagem bíblica, agradeceu aos caminhoneiros, a integrantes das Forças Armadas, "à família brasileira e mencionou a "inocência da crianças". Também fez acenos ao eleitorado da região Nordeste, reduto petista, onde culpou as fake news por não ter alcançado desempenho majoritário nas urnas. "Foram quase 50 milhões de pessoas que acreditaram em mim no domingo". 

Fonte: Bocão
Reportagens recentes:

Deixe um comentário

Líder Notícias - O seu canal de informação! © 2013 - 2018 | Desenvolvido por Junior Pacheco