Menu Horizontal Fixo

Menu Horizontal Relativo

Propagandas [1110px]

“Política de generosidade” do PT e seu financiamento a ditaduras resultou em calote bilionário para o BNDES

28/03/2019

O resultado do BNDES de 2018 trouxe provisão de perdas bilionárias com empréstimos da era do PT, com destaque para os financiamentos a ditaduras.
A Venezuela deu um calote de R$ 2,2 bilhões, e a inadimplência de Cuba gerou provisões de mais R$ 2,2 bilhões.

As ditaduras de Nicolás Maduro e Raúl Castro representam, assim, mais de 70% das perdas do BNDES com calotes, que chegaram ao total de R$ 5,9 bilhões no ano passado.

De acordo com o colunista Rubens Barbosa, o BNDES vem levando de países como Angola, Venezuela e Moçambique, fruto do que ele chama de uma “política de generosidade” do governo do PT, que levava em conta critérios políticos e ideológicos na escolha de países e empresas que receberiam empréstimos e conseguiriam obras no exterior – “como é o caso notório da Odebrecht e de outras empresas”. Tudo financiado pelo BNDES, que, desde 1997, liberou mais de US$ 10 bilhões para 15 países, tendo recebido apenas US$ 8 bi, juros incluídos.

Ainda, segundo Rubens, Angola é o país que mais obteve empréstimos e é o maior devedor – hoje deve cerca de US$ 4 bi ao BNDES, principalmente com obras da Odebrecht -, com a Venezuela aparecendo em seguida. Claro está que a dívida não está sendo paga, e o calote é grande. O mais grave é que tudo deve piorar, já que a situação econômica da Venezuela apenas se complica e não há luz surgindo no fim do túnel. O colunista critica essa “grande orgia de gastos feitos muitas vezes por razões políticas, para obras combinadas com empreiteiras brasileiras, pagamento de campanha […], isso gerou todo esse desequilíbrio e as dificuldades de pagamento com a situação econômica na Venezuela”.

Fonte: Jornal USP, O Antagonista

Publicações recentes

Deixe um comentário

Reportagens recentes:
Líder Notícias - O seu canal de informação! © 2013 - 2019 | Desenvolvido por Junior Pacheco