COVID-19
Ouça nossas rádios
Play Pause Entrar
Play Pause Entrar
Play Pause Entrar
Play Pause Entrar

Ouça essa matéria

Nove em cada dez casos de coronavírus não são detectados no Brasil, afirma estudo

26/03/2020

Um estudo realizado pela Escola de Londres de Higiene e Medicina Tropical, publicado no último domingo (22), afirmou que o Brasil detecta, em média, 11% dos casos sintomáticos da Covid-19. Ou seja, apenas uma em cada dez pessoas que carregam o vírus foram registradas pelo governo. 

Ainda de acordo com o estudo, a taxa é maior que a da Itália (6%) e menor que a da Coreia do Sul (83%). A estratégia do país asiático para o combate ao novo coronavírus tem sido considerada referência.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, o estudo britânico é baseado em um modelo matemático que usa como referência a taxa de letalidade do coronavírus na China, definida em 1,38%, por pesquisadores daquele país. Essa taxa é um resultado ajustado pelos pesquisadores chineses, levando em conta que a simples divisão de mortes por casos gera um número enviesado, uma vez que não considera o atraso de confirmação de óbito e os casos de subnotificação. 

Para o médico epidemiologista e professor da Universidade Federal do Maranhão, Antônio Augusto Moura da Silva, a taxa de identificação seja talvez até inferior a 10%. Ele explica que a demora de chegar à conclusão sobre a causa da morte em suspeitos de infecção por coronavírus faz com que o número de casos esteja atrasado em relação à realidade. 

“As pessoas estão morrendo nos hospitais e sem diagnósticos. Temos algumas mortes diagnosticadas como suspeitas, mas você não tem a confirmação do óbito”, disse.

Casos com sintomas leves ou sem nenhum sintoma pode ajudar a aumentar a tranmissão, pois o portador do vírus continuará circulando pelas ruas. Por isso que o isolamento social é considerado uma das estratégias mais efetivas para combater o coronavírus. 

O Ministério da Saúde reforçou que está ampliando o número de testes, que serão divididos entre o tipo que detecta o vírus geneticamente em amostras (PCR) e os que dependem da análise da resposta imunológica do corpo ao micro-organismo invasor, por meio dos anticorpos. 

Entretanto, mesmo que não haja atraso na contabilidade de óbito ou de notificação, haverá defasagem entre a realidade e os dados que a retratam, já que testar toda a população brasileira é uma possibilidade inviável, devido ao custo e ao número de pessoas que vivem no país, e também porque mesmo se todos os sintomáticos forem testados, faltarão ainda as pessoas assintomáticas. 

Ainda assim, há como diminuir essa distância entre o que acontece e o que os números mostram. Para tanto, segundo Silva, há duas estratégias que foram aplicadas por outros países e que podem ter sucesso nesse sentido: o distanciamento social e a testagem em massa.

Leia Também

Reportagens recentes:
2011 - 2020 @ Líder Notícias - O Seu Canal de Informação | Desenvolvedor :: @ vJPacheco