COVID-19
Ouça nossas rádios
Play Pause Entrar
Play Pause Entrar
Play Pause Entrar
Play Pause Entrar

Ouça essa matéria

Comerciantes sofrem retaliações após manifestação pela abertura do comércio de Irecê com medidas de prevenção e cuidados ao coronavírus

19/04/2020

Um movimento criado pela empresária Rita, proprietária da loja Feirão do Bebê em Irecê, ganhou adesão de empresários, médicos, comunicadores e representantes do poder público da cidade. O grupo de whatsapp “Comerciantes de Irecê” busca de forma responsável dialogar com o poder público sobre alternativas para viabilizarem a abertura do comércio, adotando as recomendações de cuidados e prevenção ao coronavírus (Covid-19), mas tem sofrido retaliações, alegando tratar-se de um grupo político partidário.
Os comerciantes negam qualquer envolvimento político e partidário, e, repudiam as perseguições e retaliações que vem sofrendo nas redes sociais. São pessoas idôneas, que geram emprego e renda para o município, mas que tem passado por sérias necessidades, pois muitos estão endividados, tiveram que demitir funcionários e ainda pagam aluguéis dos pontos comerciais. Muitos deles não foram as ruas, pois pessoas ligadas à administração enviaram a lista dos participantes do grupo ao prefeito de Irecê, Elmo Vaz, o que gerou o medo dos comerciantes da exposição e perseguições. É lamentável que diante de uma sociedade democrática, em que a Constituição Federal de 1988 assegura a “livre manifestação”, ainda querem oprimir a reivindicação do trabalhador de exercer o direito de abrir o comércio e garantir a sobrevivência da sua empresa, a subsistência da sua família e de seus funcionários. 
Atos de violência e graves ameaças tem sido feitos contra os comerciantes nas redes sociais. Tentam denegrir e ofender a imagem dos que participaram do movimento pacífico e  até incitarem para que o consumidor não compre mais nos estabelecimentos que estão aderindo a manifestação, cuja a finalidade é apenas o diálogo com o poder público, sem qualquer conotação política partidária, mas uma política de sobrevivência da economia e da manutenção dos empregos.
O comércio de Irecê e região tem amargado com os efeitos do isolamento social na economia. Os comerciantes não tem a finalidade de transgredirem o decreto municipal e serem contra as decisões tomadas pelo poder executivo de Irecê e região, mas querem ter o diálogo com o poder público em defender a economia de forma responsável adotando todas medidas de cuidados e prevenção, para manter os empregos e o equilíbrio econômico; solicitando ao poder público uma audiência pública com os comerciantes, as entidades de classe representativas, o judiciário, Ministério Público e a União das Prefeituras do Platô de Irecê (UNIPI).
Alguns donos de supermercados também participaram do movimento em solidariedade, compaixão e empatia com as demais categorias de comércio. Os comerciantes reconhecem que mais casos de coronavírus poderão ocorrer na região, mas acreditam que o mais importante não é fechar o comércio, mas mantê-lo aberto com as medidas de segurança adequadas, como por exemplo, a limitação do número de clientes, uso de máscaras e álcool gel e outras precauções. “Desemprego e recessão matam muito, e possivelmente matarão mais que o próprio Covid-19. A conta , num cenário pior, é de 100 mil mortes desnecessárias. Devemos mostrar que a abertura do comércio é viável e que estamos dispostos a manter as medidas usuais de higiene e etiqueta social”, argumentam.
Entre as medidas mencionadas estão o uso de máscaras por toda a população como países orientais já vem adotando na sua rotina com melhor controle da epidemia; Manter escolas e Faculdades fechadas, com possibilidade de aulas virtuais quando possível; Permitir o teletrabalho sempre que possível; Manter os serviços funcionando respeitando medidas de distanciamento social e intensificando cuidados de higiene. O conceito de serviço essencial deve levar em consideração inclusive o serviço que serve à sobrevivência de alguém; Evitar a ida de muitas pessoas da mesma família aos lugares; Manter o sistema ‘Para retirar’ e ‘delivery’ nos restaurantes. O fechamento completo dos restaurantes os levaria à falência; Intensificar a higiene nos transportes e promover o distanciamento entre os passageiros; Regulamentar o número de passageiros nos transportes. De preferência manter as janelas do automóvel abertas, e evitar conversar com o motorista; Intensificar os serviços de limpezas nos espaços públicos. Disponibilizar EPI’s adequados para o pessoal da limpeza; Esclarecer a população da necessidade de lavar as mãos ao chegar em casa ou no trabalho, e de higienizar tudo que veio de fora da casa como bolsas, carteiras, chaves, etc; Isolar idosos e portadores de doenças crônicas (grupo de risco) das crianças (possíveis vetores); Isolar profissionais de saúde (possíveis vetores) de familiares idosos ou portadores de doenças crônicas (grupos de risco); Isolar do restante da família, os profissionais que irão lidar diretamente com pacientes com Covid-19. Não adianta isolar somente depois de comprovado a contaminação; Disponibilizar os EPI’s adequados para os profissionais de saúde; Desestimular o trabalho em mais de uma unidade de saúde dos profissionais de saúde que lidam diretamente com doentes internados com Covid-19, pois são considerados potencialmente contaminados; Abertura escalonada do comércio; Cobrança pela realização de mais testes e transparência na aplicação do orçamento; Redução dos custos municipais para alocar na realização de testes; Plano de exames (testes) em assintomáticos. A prefeitura consegue, por amostragem, saber ao longo do tempo a taxa infestação da população. Como uma pesquisa, com uma amostra de algumas centenas de pessoas, saber com uma pequena margem de erro, a real situação.
Leitos exclusivos pra COVID, e principalmente leitos de UTI exclusivos; Liberação controlada do fluxo intermunicipal.



Na sexta-feira, 17, os diretores da Câmara dos Dirigentes Lojistas de Irecê realizaram uma importante  reunião extraordinária. “O momento foi realizado  por vídeo conferência, onde ficou deliberado que haverá um diálogo com o prefeito sobre todas as necessidades em que o nosso comércio vem passando.
Todos os assuntos que estão sendo sugestionado pelos lojistas serão discutidos com o prefeito para que haja uma sensibilidade acerca da abertura do comércio.
Neste final de semana o presidente da CDL irá buscar o prefeito para dialogar  com ele sobre uma flexibilização.
Estaremos informando a todos sobre o andamento deste diálogo entre a CDL Irecê e o Senhor Prefeito de Irecê, Elmo Vaz”, conclui.








Leia Também

Reportagens recentes:
2011 - 2020 @ Líder Notícias - O Seu Canal de Informação | Desenvolvedor :: @ vJPacheco