COVID-19
Ouça nossas rádios
Play Pause Entrar
Play Pause Entrar
Play Pause Entrar
Play Pause Entrar

Ouça essa matéria

Vermífugo nitazoxanida reduz carga viral, mas não risco de morte por Covid

24/10/2020

O medicamento nitazoxanida, vermífugo alvo de estudo anunciado pelo Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação nesta semana, reduz carga viral, mas não o risco de morte nem sintomas graves da infecção pela Covid-19. A conclusão foi feita por especialistas que analisaram a pesquisa e concederam entrevista ao portal G1.

O estudo foi publicado nesta sexta-feira (23). A análise feita por especialistas identificou que o medicamento não atende aos objetivos principais do tratamento, como redução dos casos graves e do risco de morte pela doença.

"O objetivo principal do estudo, reduzir mortes e sintomas graves da Covid-19, não foi alcançado. Foi apresentado apenas um objetivo secundário, de que o medicamento é capaz de reduzir a carga viral. Isso, na prática, não resolve o problema do coronavírus", afirmou o epidemiologista Paulo Lotufo.

O estudo traz dados que mostram que o vermífugo nitazoxanida reduziu a carga viral em pacientes com sintomas leves e diminuiu a febre em pacientes no início do tratamento.

"A nível de tratamento da Covid, o benefício do uso da droga parece ser muito baixo. Como são indivíduos com casos leves, essa redução na carga viral não traria grandes reflexos a nível de transmissão da doença", conclui o virologista Anderson Brito, do departamento de epidemiologia da Escola de Saúde Pública da Universidade de Yale, nos Estados Unidos.

Ao observar o artigo, o infectologista Alberto Chebabo afirmou em entrevista ao G1 que o medicamento não foi capaz de reduzir hospitalizações nem sintomas graves.

Anderson Brito ainda explica que a carga viral é uma medida aproximada da quantidade de vírus em uma amostra extraída do paciente, traz a reportagem. "Essa medida é feita medindo-se a quantidade de material genético do vírus por mL", disse. Diante disso, o especialista destacou que em casos graves, há estudos que mostram uma associação entre carga viral e risco de morte. "Não é esse o caso desse estudo, que focou em casos leves da Covid", afirmou Brito.

Fonte: Bahia Notícias

Leia Também

Reportagens recentes:
2011 - 2020 @ Líder Notícias - O Seu Canal de Informação | Desenvolvedor :: @ vJPacheco