COVID-19

Ouça essa matéria

FABÍOLA SAÚDA OS 40 ANOS DO BALÉ DO TCA E HOMENAGEIA O COREÓGRAFO ISMAEL IVO

15/04/2021

 A deputada Fabíola Mansur (PSB) saudou os 40 anos do Balé do Teatro Castro Alves (BTCA), completados no dia 1º de abril, através de moção de aplausos na Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA). Ao registrar o documento à 5ª companhia pública de dança do Brasil e à 1ª do Norte e Nordeste, a parlamentar também rendeu homenagem ao bailarino e coreógrafo brasileiro Ismael Ivo, que faleceu por complicações da Covid-19 no último dia 8 de abril.


“Há 40 anos, o Balé Teatro Castro Alves vem escrevendo, com honra e louvor, seu nome na história das artes da Bahia e do Brasil, com uma memória belíssima de trabalhos que inclui uma série de espetáculos de sucesso, turnês nacionais e internacionais e de grande contribuição para a formação e qualificação de gerações de artistas da dança”, anotou Fabíola Mansur, lembrando que, no mesmo mês, dia 29 de abril, celebramos o Dia Internacional da Dança.


A moção traz depoimentos de diretores artísticos do BTCA, cujo corpo artístico estável é mantido pelo TCA, Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb) e Secretaria de Cultura do Governo do Estado da Bahia (SecultBA). Wanderley Meira, diretor desde 2019, destacou que o balé busca ampliar suas relações com os artistas baianos independentes e com o interior do Estado, compartilhando seus produtos artísticos. Já a atual diretora artística do TCA, Rose Lima, que atuou como diretora do BTCA em 2009, afirmou que o BTCA instiga a criação de dança na Bahia e no Brasil, através de coreografias de sucesso, reflexões criativas, parcerias institucionais e atividades formativas para outros artistas da dança.


A deputada ressalta que, durante a pandemia, o BTCA realizou diversas ações online. “A arte é sagrada, alimenta nossa vida. Mesmo nestes tempos sombrios, ela pulsa em suas diversas formas de manifestação, a exemplo da dança, para alegrar, fazer pensar e tocar o coração das pessoas. A força da dança consolidou o Balé do Teatro Castro Alves, um dos grupos de dança mais importantes do país, que também conquistou reconhecimento internacional pela ousadia, apuro técnico, amor e a dedicação dos bailarinos ao BTCA ao longo desses 40 anos”, parabenizou Mansur.


HOMENAGEM


A socialista lembra que o Balé do Teatro Castro Alves foi uma das primeiras companhias de dança a colocar coreógrafos e bailarinos negros no seu corpo permanente. E foi justamente na capital baiana que a carreira internacional do bailarino e coreógrafo Ismael Ivo deslanchou, registrou a deputada ao homenagear o artista, que morreu, aos 66 anos, em São Paulo, de Covid-19. “Foi em Salvador, em 1983, que o coreógrafo e diretor norte-americano Alvin Ailey descobriu o artista dançando o solo ‘O Rito do Corpo em Lua’, em uma das históricas Oficinas Nacionais de Dança Contemporânea coordenadas pela professora Dulce Aquino, na Universidade Federal da Bahia”, contou Fabíola, para quem Ivo era genial, referência na dança contemporânea e um dos maiores bailarinos do mundo.

A moção registra que o bailarino se tornou o primeiro diretor negro do Balé da Cidade de São Paulo, foi diretor da Bienal de Viena e do Teatro Nacional Alemão – “o primeiro negro e estrangeiro a dirigir o Teatro Nacional Alemão. Ivo, um ícone do balé contemporâneo, que batalhou e conquistou o seu espaço no mundo pelo seu talento, pela sua paixão e pela arte se tornou referência no mundo da dança”, definiu Mansur.

Leia Também

Reportagens recentes:
2011 - 2020 @ Líder Notícias - O Seu Canal de Informação | Desenvolvedor :: @ vJPacheco